O Núcleo da Juventude da Distrital do Porto dos TSD realizou, na passada segunda-feira, um debate sobre "O Futuro do Trabalho" com a presença de David Justino, Vice Presidente do PSD e antigo Ministro da Educação; Paula Arriscado, diretora pessoal do grupo Salvador Caetano; José Manuel Castro, professor universitário e Mafalda Troncho, diretora do escritório da OIT em Lisboa. A moderação esteve a cargo de Adriano Rafael Moreira, coordenador do gabinete de estudos do PSD Porto. O encerramento foi efetuado por Pedro Roque Oliveira, secretário geral dos TSD. Refira-se que, o Futuro do Trabalho, foi o tema da Proposta Temática que os TSD apresentaram ao último Congresso do PSD e que foi aprovada por larga maioria.

de Ruben Pires, Economico Madeira
A secção de engenharia dos Trabalhadores Sociais Democratas (TSD Madeira) destacou o trabalho efectuado pelo Laboratório Regional de Engenharia Civil (LREC) no desenvolvimento e implementação do sistema de alerta de aluviões na Região Autónoma.
“Este grande trabalho de investimento do LREC, faz com que a Madeira seja pioneira ao nível europeu no desenvolvimento destes sistemas de prevenção de catástrofes”, referiu Jorge Afonso, da secção de engenharia dos TSD Madeira, Jorge Afonso.
Os TSD Madeira visitaram as 32 câmaras de vigilância que compõem o Sistema de Alerta de Aluviões.
Jorge Afonso destacou o trabalho de cooperação e desenvolvimento científico feito pelo LREC nas áreas da segurança de forma a proteger a população.
O elemento dos TSD Madeira realçou as áreas áreas de engenharia que estiveram presentes no desenvolvimento do sistema de alerta de aluviões na Região Autónoma.
Jorge Afonso abordou na sua intervenção a área da precipitação.
“O sistema consegue trabalhar com médias móveis ao nível da precipitação, obtendo uma malha mais fina na aquisição de valores que traduzem a situação em tempo real”, explicou.

A Tendência Social-Democrata e os Trabalhadores Democratas Cristãos do SINDEL  demostraram o seu apoio à greve geral dos trabalhadores das lojas EDP, que terá lugar no próximo dia 2 de março de 2018 através de um comunicado conjunto.

A Assembleia da República, reunida a 2 de março de 2018 aprovou o voto de pesar n.º 489/XIII pelo falecimento de ALEXANDRE AZEVEDO MONTEIRO, histórico dirigente dos TSD Guarda e antigo deputado. O voto foi redigido e subscrito pelo Secretário Geral dos TSD e subscrito igualmente pelas deputadas dos TSD Mercês Borges e Carla Barros e ainda pelos dois deputados do círculo da Guarda Carlos Peixoto e Ângela Guerra. Tem o seguinte teor:
 
Faleceu no passado dia 14 de fevereiro, com 76 anos de idade, Alexandre Azevedo Monteiro, histórico dirigente dos TSD - Trabalhadores Social-Democratas, de que detinha o n.º 25 e foi seu presidente distrital na Guarda durante 24 anos. À data da sua morte era ainda membro da Mesa do Congresso e do Conselho Nacional dos TSD. Estava internado desde meados de janeiro no Hospital Sousa Martins, na cidade mais alta de Portugal e não resistiu à doença.
Alexandre Monteiro tirou o Curso Técnico Industrial na Escola Industrial e Comercial da Guarda e teve o seu primeiro «trabalho a sério» na antiga fábrica das Indústrias Lusitanas Renault, na cidade da Guarda, onde desempenhou funções em vários sectores, desde a produção, controle e qualidade, métodos e tempos até ao serviço central de produção. Sobre a sua passagem por aquela unidade industrial referia-se à mesma como sendo «um orgulho ter servido a fábrica que era a “menina dos nossos olhos”».
Em 1987 foi eleito deputado à Assembleia da República pelo círculo eleitoral da Guarda, nas listas do PSD, onde cumpriu um mandato.
Para além do seu papel incontornável ligado aos TSD - Trabalhadores Social Democratas na Guarda foi ainda, em termos partidários, membro da Comissão Política de Secção da Guarda, da Comissão Permanente Distrital da Guarda e deputado à Assembleia Municipal daquela cidade.
Igualmente no movimento sindical e em associações cívicas foi um exemplo em função da sua coerência, empenho e coragem.
Em 2013, Alexandre Monteiro, que sofria de Parkinson, editou o livro “Memórias de um Deputado da Província na Assembleia da República”, sobre o período em que esteve no Parlamento, a fundação da fábrica da Renault onde trabalhou, os primeiros tempos após o 25 de abril na Guarda e outros aspetos sobre a história e acontecimentos que marcaram aquela cidade nas últimas décadas.

Partiu um homem bom, solidário e amigo. O seu desaparecimento constitui uma grande perda para a social-democracia, o movimento sindical, o Poder Local e para todos os seus inúmeros amigos que com ele trabalharam ou conviveram. Homem simples e humilde, mas de um grande caracter e defensor de valores e princípios, era respeitado por todos quantos com ele privavam.
À família, aos inúmeros amigos e aos companheiros dos TSD e do PSD a Assembleia da República expressa as suas sentidas condolências.
 

A proposta temática "D" do Secretariado Nacional dos TSD - Trabalhadores Social-Democratas foi aprovada por larguíssima maioria na votação de sábado passado no decurso do 37º Congresso Nacional do PSD.

A proposta, intitulada "Os TSD, o PSD e o futuro do trabalho", recorda que partido teve um "papel histórico" para recuperar e "devolver a dignidade ao país" após a intervenção da "troika". Os TSD defendem que o PSD "Deverá manter-se fiel à sua matriz ideológica social-democrata que o coloca no centro político, rejeitando, a um tempo, o coletivismo derrotado pela História e um certo capitalismo desregulado e insensível aos aspetos sociais", lê-se no texto que vai a discussão no congresso de 16,17 e 18 de janeiro, em Lisboa.  Os TSD defendem igualmente a estabilidade da legislação laboral por oposição a BE e PCP, apoiantes do Governo, que a querem rever, e avisa que "eventuais ajustes" devem ter "sempre o acordo" na concertação social. Os TSD acusam aliás o executivo do PS de, "ao arrepio da melhor tradição do PS", tenha vindo "a preterir e a desvalorizar a concertação social", por cedência à "esquerda radical". Na parte final da proposta, os Trabalhadores Social Democratas fazem sete propostas, entre elas a defesa de "mais e melhor formação profissional", o "combate ao trabalho precário em todos os setores económicos", o "combate ao desemprego jovem" e ao "desemprego de longa duração" e "melhores cuidados de saúde para os trabalhadores".

Os TSD Distrital do Porto promovem uma conferência subordinada ao tema "O Futuro da ADSE" e que terá lugar no próximo sábado, dia 10 de fevereiro pelas 10:00 no auditório do SBN - Sindicato dos Bancários do Norte, Porto. O orador principal será o Eng. João Proença, presidente do Conselh Consultivo da ADSE.

Os TSD participaram na reunião do órgão de direção da EUCDW que teve lugar, no passado dia 26 de janeiro, em Timisoara, Roménia. Os TSD foram respresntados por António Matos Cristóvão, membro do Secretariado Nacional.

Entre outros assuntos debatidos ficou definido que o XII Congresso da EUCDW terá lugar a 15 de dezembro em Viena, Áustria.

 

Recorde-se que, a EUCDW - European Union of Christian Democratic Workers é a organização laboral associada ao Partido Popular Europeu, baseada nos princípios cristãos do Trabalho e comprometida com o fortalecimento da Economia Social de Mercado que está na essencia da criação do Projeto Europeu e da União Europeia e que combina a sustentabilidade e a competitividade da economia com a justiça social.

O 37.º Congresso Nacional do Partido Social Democrata reúne em sessão ordinária, nos dias 16, 17 e 18 de fevereiro de 2018, em Lisboa, com a seguinte ordem de trabalhos:

  • Ponto 1 - Apresentação da proposta de estratégia global.
  • Ponto 2 - Apresentação das propostas temáticas.
  • Ponto 3 - Apresentação das propostas de alterações estatutárias.
  • Ponto 4 - Discussão das propostas de estratégia global, temáticas e das de alterações estatutárias.
  • Ponto 5 - Votação das propostas de estratégia global, temáticas e das de alterações estatutárias.
  • Ponto 6 - Eleição dos órgãos nacionais.
  • Ponto 7 - Sessão de Encerramento e proclamação dos resultados.

Chamados a pronunciarem-se em eleições diretas os militantes do PSD sufragaram a candidatura de Rui Rio que, deste modo, se torna presidente do Partido Social Democrata.

Os TSD – Trabalhadores Social Democratas, cientes da confiança maioritariamente expressa pelos militantes, saúdam o novo presidente eleito e reiteram a disponibilidade e vontade de, a seu lado, contribuírem para unir o Partido.

Reforçar a coesão do PSD significa de igual modo dinamizar e fortalecer-nos enquanto oposição, constituindo assim uma alternativa credível e efetiva ao atual governo socialista.

Da parte dos TSD continuaremos a representar, solidária e entusiasticamente, como estrutura autónoma, a voz do Partido, do seu programa e dos seus ideais de justiça social, vontade de progresso e modelo de democracia no mundo do trabalho e no movimento sindical, mas também defensor dos valores e anseios dos trabalhadores no seio do PSD.

Lisboa, 14 de janeiro de 2018

A nova sede dos TSD - Trabalhadores Social Democratas foi inaugurada no dia 10 de janeiro de 2018 pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho naquele que foi um dos seus últimos atos enquanto presidente do Partido e 3 dias antes das eleições diretas que elejeram um novo Presidente.

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)