Os TSD estranham a surpresa da Ministra do Trabalho sobre os números do desemprego

Para o governo só  contam, pelos vistos, os desempregados das grandes empresas e que são objecto de notícia na comunicação social. Os trabalhadores provenientes das micro e pequenas empresas de todos os ramos de actividade, que todos os dias engrossam às centenas o número de desempregados, passam ao lado das atenções do governo.

Os números do desemprego são essencialmente resultantes da falência e encerramento de micro e pequenas empresas, que não aguentam as consequências da crise e que o governo nunca tomou medidas concretas para apoiar este segmento do nosso tecido empresarial.

Os números do desemprego mostram que as políticas de apoio às  PME’s, repetidamente anunciadas pelo governo, falharam. Como se previa e como sempre alertamos.

Mas, infelizmente, os números reais do desemprego em Portugal não são apenas os que ontem vieram a público pelo INE.

Há  muitos desempregados que já não acreditam nos serviços públicos de emprego e não se inscrevem no IEFP; há milhares de pessoas que trabalham meia dúzia de horas por semana e não são contabilizadas como desempregadas; há milhares de desempregados que estão integrados em acções de formação profissional ou de baixa médica e que não contam para as estatísticas do desemprego. Ou seja, os números reais do desemprego em Portugal ultrapassam claramente os 600 mil e rondam os 11%.

O governo tem obrigação de conhecer estes números e esta realidade.

Por isso, os TSD estranham a surpresa da Ministra do Trabalho pelos números do desemprego, porque os que ontem foram divulgados ficam aquém da realidade e, se o governo insistir nas suas políticas erradas, seguramente que o resultado vai ser o agravamento do flagelo do desemprego.

Lisboa, 18 de Novembro de 2009

                                   O Secretariado Nacional

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)