PSD diz que “piores números de sempre” provam que Governo seguiu políticas erradas

“Estamos em presença dos piores números de sempre do mercado de trabalho em Portugal. São números extraordinariamente preocupantes”, comentou o deputado e vice-presidente do grupo parlamentar do PSD Miguel Frasquilho, em conferência de imprensa, no Parlamento.

“A taxa de desemprego atinge 9,8 por cento, que é o maior valor em termos de taxa de sempre e está à beira também de um recorde absoluto que seriam os dois dígitos, um recorde bastante preocupante”, reforçou Miguel Frasquilho.

De acordo com o ex-secretário de Estado do Tesouro e Finanças, “é aqui que reside o maior perigo social, que tem vindo a tomar conta da nossa economia”, e os números do desemprego devem-se em parte às políticas do Governo.

“Para além da crise internacional, que terá tido influência nestes números do terceiro trimestre, parece-nos também evidente que as políticas que têm sido seguidas desde há uma série de anos por parte do Governo não têm obviamente sido as mais adequadas porque, se o fossem, a situação seria outra no mercado de trabalho”, afirmou.

Miguel Frasquilho defendeu que os números do desemprego “provam que a evolução do Produto Interno Bruto (PIB) a que se tem assistido não é sustentada” e que “as ajudas que Governo tem concedido à economia não têm tido resultado”.

“Ganha ainda maior actualidade, ganha maior acuidade o plano anti-crise que o PSD apresentou na semana passada”, acrescentou o social-democrata, convidando “todas as forças políticas, incluindo o Governo” a aprovar as medidas propostas pelo seu partido.

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)