A primeira prioridade do Novo Governo

Sejam quais forem os ministros, mais políticos ou mais técnicos - para os TSD todos os governantes são políticos - será sempre o governo do Eng. José Sócrates, que governou nos últimos quatro anos e meio e que hoje inicia um novo mandato.

E por ser o mesmo Primeiro-Ministro, há políticas do anterior governo com resultados já suficientemente testados que dispensam o novo governo de perder tempo, tão evidente é a necessidade de implementar novas políticas.

É neste contexto que os TSD desejam que o novo governo inscreva, de facto, o emprego e o combate à crise como a sua política prioritária. Tal como o Primeiro Ministro hoje prometeu.

É que as medidas que o anterior governo de José Sócrates tomou, de apoio à economia real e de combate ao desemprego, falharam.

As empresas continuam a fechar, o desemprego continua a subir, os problemas sociais continuam a agravar-se.

O desemprego oficial atinge os 510.356 desempregados (mas o desemprego real já ultrapassa as 600.000 pessoas) e a própria Comissão Europeia vem criticar as medidas do governo português de combate ao desemprego pela sua ineficácia.

Este quadro não deixa margem para dúvidas quanto à necessidade de corrigir o rumo das políticas de relançamento da economia, da promoção do emprego e do apoio social aos desempregados e às famílias.

É por estas razões e pela importância que a retoma da economia e a criação de emprego têm nos níveis de confiança dos portugueses e no futuro de Portugal, que os TSD reclamam que a prioridade das prioridades do governo se centre no emprego.

Lisboa, 26 de Outubro de 2009

                             

                             O Secretariado Executivo

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)