É urgente criar um Gabinete de Crise no quadro do CPCS

É incompreensível que os representantes dos empresários e dos trabalhadores, as duas faces mais atingidas pela crise, sejam pura e simplesmente ignorados pelo governo, quando o bom senso impunha que fossem chamados e envolvidos num processo de convergência de opiniões e de energias nacionais para enfrentar as dificuldades.

Imbuídos desta preocupação, os TSD já propuseram publicamente, em 3 de Fevereiro último, “a criação urgente de um Gabinete de Crise no Conselho Permanente de Concertação Social, composto por representantes qualificados do Governo e dos Parceiros Sociais, com o objectivo de acompanhar a situação e os resultados das medidas governativas, bem como construir propostas para atacar os problemas ao nível da economia real e do emprego”.

Esta exigência dos TSD fazia todo o sentido e continua a fazê-lo, porque as medidas muito anunciadas pelo governo ainda não produziram quaisquer efeitos e porque estamos em presença de uma situação excepcional que reclama, por isso mesmo, também medidas excepcionais.

Envolver os parceiros sociais para ajudar a resolver os problemas económico-sociais, é normal. O que não é normal é o esquecimento e o desprezo que o governo manifesta pela Concertação Social num quadro destes.

É por estas razões que os TSD registam a postura mais afirmativa da UGT e esperam que também reclame a criação de um Gabinete de Crise no CPCS, porque é assim que serve os trabalhadores e o País.

Lisboa, 1 de Abril de 2009


O Secretariado Executivo

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)