Eleições no Sindicato dos Bancários do Norte

Igualmente daremos o nosso apoio à candidatura aos Corpos Gerentes que sob a sigla “Solidariamente Unidos na Defesa dos Bancários” traduz a vontade das tendências que suportam a actual Direcção – TSS-Tendência Sindical Socialista, TSD-Trabalhadores Social Democratas e TIDC-Tendência Independente Democrata Cristã – em se recandidatarem a um novo mandato à frente dos destinos do Sindicato, após quatro anos de um projecto sindical abrangente e solidário.

Hoje novos desafios se apresentam ao movimento sindical, obrigando à constituição de uma equipa homogénea e solidária, capaz de gerir esta grande Instituição e simultaneamente defender os direitos dos trabalhadores bancários, sem divisões ou divergências.
Vivemos um período conturbado a nível mundial, com reflexo profundo no sector financeiro, área na qual nos movemos. Portugal não poderia ser a excepção no meio de toda esta crise.

Não devemos ter medo de afirmar isto, assim como não devemos ter medo de afirmar que também o Sindicalismo está em crise, bem como em crise estão outros valores e outras instituições, afectadas pela forte e imparável turbulência que a todos nos atinge. As noticias diárias de encerramento de Empresas, bem como o enunciado constante de despedimentos, a todos nos afecta e vai condicionar o trabalho que temos pela frente, ao apresentarmo-nos a este novo mandato.

A partir dos anos 70 com o eclodir da crise petrolífera, a dinâmica social alterou o modelo vigente das relações laborais. Ao forte poder dos Sindicatos nas Empresas, traduzido nos grandes avanços no domínio social, com normativos laborais de grande estabilidade de emprego – um emprego para toda a vida – tudo começou a ser posto em causa com as profundas alterações no tecido económico.
A introdução de novas tecnologias baixou, substancialmente, emprego e alterou-o qualitativamente, com reflexos profundos em todo o mundo laboral, nomeadamente o sector bancário, que passou a contar com uma mãode obra jovem e altamente qualificada, que vê na sua relação e trabalho uma forma de realização profissional e pessoal, afastando os jovens da actividade sindical, constituindo
este afastamento um problema sério e grave para o futuro do sindicalismo.

È a esta situação que urge pôr cobro! Teremos que rapidamente ganhar estes trabalhadores para a actividade sindical. É essa a obrigação que os Trabalhadores Social-Democratas terão que ter presente ao assumirem a responsabilidade de se candidatarem aos Órgãos Estatutários do Sindicato dos Bancários do Norte.

Os bancários conhecem-nos, mas teremos que, forçosamente, tornar o nosso trabalho mais visível a todos aqueles diariamente nos diversos locais de trabalho enfrentam e resolvem os problemas.

Teremos que ser técnica e sindicalmente ainda mais capazes, não prometemos, nem prometeremos aos bancários nada que não possamos cumprir.

Na Estrutura a que pertencemos não há espaço para demagogia e falsas promessas

Prometemos no Conselho Geral, nas Comissões Sindicais de Empresa, Delegação e Reformados uma vontade de dedicação e trabalho exclusivo na defesa dos direitos dos trabalhadores bancários, procurando com transparência de honestidade atingir os fins enunciados.

No Conselho Geral os Delegados manifestam a vontade de com uma actuação critica e vigilante acompanharem a actuação dos Corpos Gerentes, fomentando o debate sobre todos os problemas que afectam os trabalhadores bancários, apresentando propostas à Direcção que permitam a reposição da Dignidade dos Trabalhadores Bancários.

Seremos uma voz critica e seria, capaz de veicular todos dos anseios e preocupações dos trabalhadores.

Nas Comissões Sindicais de Empresa procuramos e conseguimos apresentar trabalhadores reconhecidos pela sua capacidade e afirmação sindical. Efectivamente as Comissões Sindicais de Empresa são o Órgão do Sindicato que coordena a actividade sindical na
Empresa, constituindo o elo de ligação entre a Direcção e s seus associados.

Apresentamos uma equipa de pessoas capazes, conhecidos pelo seu trabalho e profundos conhecedores da realidade de cada Empresa, conhecedores da sua realidade e do seu dia a dia. Nas Comissões Sindicais de Delegação, depois de localmente
termos efectuado diversas reuniões, auscultando os trabalhadores, escolhemos também os mais capazes.

Apresentamos uma equipa constituída por pessoas reconhecidas nas diversas áreas sindicais pelo seu trabalho e dedicação á causa dos bancários, apostados no reforço da actividade do Sindicato dos Bancários do Norte e interessados na melhoria do funcionamento dos SAMS, procurando dotá-los de serviços que melhor respondam aos anseios dos bancários de cada Região.

Na Comissão Sindical de Reformados apresentamos uma equipa renovada e capaz de melhor responder às solicitações destes associados do SBN. Os trabalhadores bancários em geral, e os reformados, em particular, tem visto o seu poder de compra afectado ao
longo dos últimos anos, nomeadamente pelas alterações fiscais introduzidas quanto à forma de aplicação dos descontos para efeito de IRS, que no caso dos trabalhadores a situação de reforma, alterou significativamente as expectativas criadas pelos bancos aos trabalhadores aquando a sua passagem à situação de reforma.

Assim compete a esta Comissão Sindical, em articulação com a Direcção do Sindicato, continuar a manter esta discussão
com os Bancos de modo a minimizar as percas sofridas os seus vencimentos.

É este é o compromisso assumido de forma clara pelos elementos indicados para esta Estrutura.

Os Social-Democratas sempre tiveram como bandeira para o seu programa a valorização do trabalho e a dignificação dos trabalhadores.

VALORIZAR O TRABALHO, DIGNIFICAR O TRABALHADOR obriga a dar continuidade à vitalidade do movimento sindical, tarefa que exige de todos – trabalhadores dirigentes sindicais – a afirmação do movimento sindical como um movimento social indispensável na sociedade, quer no presente quer no futuro.

VALORIZAR O TRABALHO, DIGNIFICAR OS TRABALHADORES significa que a economia e o social não podem estar em campos opostos.

Os trabalhadores bancários conhecem-nos!

Esperamos continuar a merecer a sua confiança.

Contamos contigo.

Connosco sempre contaram e continuarão a contar

LISTA E

 

 

ELEIÇÕES NO SBN – SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO NORTE

QUADRIÉNIO 2009 / 2013


LISTA DE CANDIDATOS TSD AOS CORPOS GERENTES




MAGCGC - Mesa da Assembleia Geral, do Conselho Geral e do Congresso




 

Presidente

Alfredo Manuel Vieira Correia

 alfredo_correia_-_presidente.jpg

1º Vogal Suplente

Joaquim António da Silva Machado

 joaquim_machado.jpg

 



Direcção

 

Vice-Presidente : Manuel Pereira Gomes
 pereira_gomes.jpg
 Secretário : José David Martins Alves  
 Vogal : Domingos Ferreira Teixeira Guimarães  
 Vogal : Gabriel Mendes Costa  
 Vogal : Maria Angelina Sousa  
 Vogal : Ana Maria Pinheiro Ribeiro  
 Vogal Suplente : Álvaro Manuel Almeida Ricardo  

 

 

 


 

 

 

 

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)