Caso BPN - Defender os Direitos dos Trabalhadores

Aqueles que deram o seu melhor esforço profissional ao serviço das empresas do grupo, não podem ser as grandes vítimas da incompetência e dos crimes cometidos por quem foi responsável pela gestão do Banco.

Os TSD apelam à Caixa Geral de Depósitos, tendo em conta as especiais responsabilidades que tem neste processo, que valorize adequadamente a dimensão social deste caso, em ordem a evitar mais desemprego.

Os TSD manifestam também a sua perplexidade com as operações financeiras que a Segurança Social tem feito com o BPN.

Com a gestão de Oliveira e Costa, a Segurança Social tinha 500 milhões de euros depositados no BPN.

Chegou Miguel Cadilhe para moralizar a situação e o Governo, em vez de apoiar aqueles que se propunham salvar o Banco, apertou-lhe o garrote retirando-lhe 300 milhões de euros e reduzindo-lhe assim a sua liquidez.

Agora, com o BPN nacionalizado, ocorre novo e significativo depósito da Segurança Social.

Estes movimentos são estranhos e até levam a pensar que o Governo actuou no sentido de agravar as dificuldades da equipa de Miguel Cadilhe, para ter uma “situação dramática” que impusesse a nacionalização do Banco.

Há que reconhecer que, em termos políticos, a nacionalização do BPN foi e está a ser muito útil ao PS e ao Governo.

Lisboa, 12 de Novembro de 2008

O Secretariado Executivo

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)