CARTA ABERTA - PINO: ¿PORQUE NON TE CALLAS?

Os empresários, os trabalhadores e as famílias desejavam ardentemente que Manuel Pinho tivesse razão, mas só ele conseguia ver e percepcionar o que mais ninguém via.

Agora, com a grave crise financeira que afecta os Estados Unidos, que deve exigir das autoridades financeiras e políticas americanas uma intervenção adequada, em ordem a que os danos dessa situação não se transformem num desastre para a economia norte-americana e para todas as economias liberais, eis que Manuel Pinho anunciou ontem que “ o mundo acabou”.

“O mundo actual, de prosperidade, acabou”, sentenciou o Ministro da Economia.

Quando um governante profere tamanho disparate, ateando a insegurança e o pânico, não há uma voz a desautorizá-lo e a demiti-lo, que era o que se esperava de um Primeiro Ministro com sentido de Estado.

Já que essa autoridade não se assume, perguntamos: Senhor Ministro, porque não se cala?

O que se está a passar nos Estados Unidos é demasiado grave, para ser tratado de forma ligeira por quem desempenha altas funções governativas, até porque, infelizmente, todas as economias vão ser afectadas e os portugueses já estão a sentir na pele os seus efeitos.

Lisboa, 30 de Setembro de 2008

O Secretariado Executivo

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)