TSD REPUDIAM A BANALIZAÇÃO DO DIREITO À GREVE PELA CGTP

Numa altura em que seria necessário cerrar fileiras em Portugal para levar de vencida as enormes dificuldades com que o país se confronta surge, de novo, a CGTP a procurar na rua e pela agitação aquilo que os portugueses não sufragaram nas urnas.
 
Recorde-se que, num registo semelhante, esta central sindical já anteriormente e ao contrário do sentido de responsabilidade dos demais
parceiros sociais, se havia recusado a discutir e subscrever o Acordo de Concertação Social.
 
Não está em causa o direito constitucional e legal ao exercício da liberdade sindical, trata-se outrotanto, de condenar a banalização do
direito à greve de que esta central usa e abusa com motivações de carácter político e que importa denunciar.
 
Os portugueses em geral e os trabalhadores em particular saberão de forma serena dar a resposta adequada e já demonstraram que rejeitam cenários de caos semelhantes aos que se assistem em outros países europeus em dificuldades uma vez que acreditam que, só através do diálogo e da negociação, é que o país puderá superar a difícil conjuntura que atravessa.
 
Lisboa, 17 de Fevereiro de 2012
 
Pelo Secretariado Nacional,
 
Pedro Roque Oliveira
Secretário Geral

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)