TSD de Setúbal querem medidas de apoio para os mais carenciados


Os TSD consideram indispensável apoiar e proteger aqueles que mais necessitam, lembrando que o Governo lançou o Plano de Emergência Social precisamente para ajudar os mais carenciados a ultrapassarem as suas dificuldades.

O projecto “Restaurante Social” nasceu em 30 de Junho de 2011 como uma das formas de combate à pobreza que se faz sentir no distrito de Setúbal, devido à grave crise económica que o país atravessa.

O Restaurante Social fornece, mensalmente, um número superior a 2500 refeições cujo custo se cifra nos 4500 Euros. Todos os utilizadores deste espaço, por princípio, participam no pagamento das refeições de acordo com os rendimentos do agregado familiar e das despesas fixas (renda de casa, água, luz e medicação permanente). 

Contudo, há famílias que não podem contribuir com nada pois as despesas são superiores aos rendimentos, enquanto outras participam com valores entre os 10 cêntimos e 1 Euro.

Nesta iniciativa também estiveram presentes o deputado e secretário-geral dos TSD, Pedro Roque, o deputado e presidente da Distrital de Setúbal do PSD, Pedro do Ó Ramos, a deputada social-democrata Maria das Mercês Borges, o coordenador dos deputados do PSD do Distrito de Setúbal, Paulo Ribeiro e o presidente do Banco Alimentar do Distrito de Setúbal.


¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)