TSD SETÚBAL SOLIDÁRIOS COM OS MAIS DESPROTEGIDOS

Reconhecem, contudo, que o Governo ao aprovar o Programa de Emergência Social visa minorar estas situações e apoiar conjuntamente com a Sociedade Civil os que efectivamente mais necessitam. 
Os TSD do Distrito de Setúbal, esperam que as medidas de relançamento da economia, tenham sucesso no que diz respeito ao nosso distrito, considerando igualmente a necessidade de ser implementado um plano de apoio às pequenas e médias empresas que se encontrem em dificuldades, única forma de se preservarem os postos de trabalho existentes e evitar o desemprego dos trabalhadores que sentem no dia a dia os seus fracos recursos serem cada vez mais reduzidos por força da crise.
Crise que os trabalhadores não geraram, mas que estão a pagar, fruto de políticas erradas, que durante anos não cuidaram do futuro, baseadas numa visão de facilitismo e demagogia. Os erros pagam-se caro, mas infelizmente são sempre os mesmos a pagar.
Temos de levantar os braços e encarar a crise como uma oportunidade de mudança da nossa sociedade, colocando as finanças em ordem e a economia a produzir riqueza e a ser distribuída com justiça social. Não podemos continuar de crise em crise a ter as mesmas receitas, temos de saber para onde vamos e como lá chegar.
Os Trabalhadores Social Democratas do Distrito de Setúbal estão disponíveis para este combate, pela solidariedade, pela mudança, pelo desenvolvimento do Pais com justiça social, apoiando as Instituições de Solidariedade Social do Distrito, pois são elas que no terreno melhor conhecem a realidade e podem minorar as carências sociais que todos nós conhecemos. 
O tecido empresarial do distrito de Setúbal que no passado soube corresponder às crises cíclicas com que se tem confrontado, pode e deve acreditar que também agora juntos, trabalhadores e empregadores vão ultrapassar as actuais dificuldades. 

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)