NÃO SE DEFENDE O ESTADO SOCIAL COM RETÓRICA

Mesmo agora, sendo conhecido o Programa Eleitoral do PSD, deturpando e interpretando abusivamente o que ali está escrito sobre a consagração do Estado Social, continua com esta linha de pensamento na senda do velho princípio, aplicado pelo Dr. Goebbels, de que “uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”.
Porém a realidade não poderia estar mais distante deste wishful thinking socialista.
 
De facto, o Estado Social não se defende com retórica mas promove-se, pragmaticamente, pondo a economia a crescer isto é, governando de modo distinto da forma como Portugal foi conduzido nos últimos seis anos e que nos conduziu à beira do default.
 
Os Trabalhadores Social Democratas revêem-se no Programa Eleitoral do PSD quer nas áreas sociais – Segurança Social, Educação e Saúde – quer na área económica que visa colocar Portugal a crescer.
 
Só assim se promove o Estado Social já que é bem mais importante a sua sustentabilidade económica do que todas as inócuas declarações programáticas de fidelidade absoluta do PS, sobretudo quando a realidade desmente o verbo, seja pelo encerramento sucessivo de serviços públicos aque se assistiu nos últimos seis anos, seja pelas ruinosas PPP’s no sector da saúde ou pelas sumptuárias obras de renovação de uma ínfima parte do parque escolar.
 
Por isso reafirmamos que só o PSD é verdadeiramente defensor do Estado Social. Quem está a destruir a sua sustentabilidade são as políticas do PS que conduziram a nossa economia à situação presente e comprometem o seu futuro.

Lisboa, 11 de Maio de 2011

Pelo Secretariado Nacional,
Pedro Roque Oliveira
Secretário Geral

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)