Secretário Geral dos TSD adverte que PSD ainda não ganhou eleições

 “A máquina de propaganda do Partido Socialista é muito  eficaz, dispõe de imensos meios materiais, que conseguem  estabelecer uma mentira como um facto, como por exemplo  que, apesar da situação desgraçada – e muita coisa ainda virá  para a frente – em que colocou a economia e as pessoas, há  um discurso de vitimação e dramatização desta questão, como se o Partido Socialista não tivesse qualquer responsabilidade  pela governação dos últimos anos, que nos conduziu ao ponto  em que estamos.” 
 
“É como se os problemas tivessem surgido apenas há duas  semanas com esta crise política, que, também ela, foi motivada  pela intervenção do governo”, acrescentou Pedro Roque, depois  de participar naquele que foi o primeiro Conselho Nacional dos  TSD, após ter sido eleito secretário-geral, no passado mês de  Fevereiro.
 
Para os TSD, como refere o documento aprovado no final do  Conselho Nacional em Alcochete, o pedido de ajuda do governo  português ao Fundo Europeu de Estabilidade Financeira representa “uma incontornável admissão de derrota por parte de um Governo que, de há muito tempo e perante os sinais mais que evidentes de degradação financeira, económica e social, se encontrava em estado de negação”.
Embora reconheçam que a situação do país exige austeridade, os TSD defendem a necessidade de se garantir que essa austeridade “não recaia essencialmente sobre quem trabalha”.
 
Por outro lado, defendem que a austeridade deve ser instrumental, “não só para a consolidação orçamental, mas, acima de tudo, para o relançamento da economia e redução do desemprego”.
 
Sinal de que alguns elementos dos TSD estão preocupados com a necessidade de se promover uma distribuição solidária dos sacrifícios, que muitos portugueses vão ser chamados a fazer, houve quem sugerisse que nos vencimentos acima de 5.000 euros, o remanescente acima daquele montante fosse pago, temporariamente, em títulos  do tesouro.
 
Para o secretário-geral dos TSD, Pedro Roque, uma proposta deste género não poderia ser subscrita pelos TSD em condições normais, mas deve ser entendida como uma preocupação de promover uma distribuição equilibrada dos sacrifícios exigidos aos portugueses.
“O significado que isso tem é que, numa altura de crise e de austeridade, as pessoas devem ser chamadas a essa austeridade em função dos seus rendimentos”, concluiu Pedro Roque. – Fonte: Lusa

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)