O Desemprego agrava-se, mas o governo diz que não!...

Face ao mês de Novembro.2010, há um decréscimo de 5086 desempregados (-0,9%).
O que os números demonstram é que em Dezembro de 2010 havia mais 3,3% desempregados do que em Dezembro de 2009.
Mas o governo, pela voz do Secretário de Estado do Trabalho e Emprego, veio proclamar que esses números provam que “o pior já passou”.
Ou seja, na opinião do governante, o desemprego não vai continuar a subir e a tendência será para descer.
Só o governo é que acredita que o desemprego está controlado. Seguramente que o governo sabe que o flagelo do desemprego vai aumentar. Mas não tem a coragem de dizer a verdade aos portugueses. Está tão habituado a esconder a realidade, que até numa questão tão evidente e que o País está preparado para ela, o governo não resiste a faltar à verdade!
Com a crise que temos, com o comportamento da economia mais próximo da recessão do que da estagnação, está aos olhos de toda a gente que nem com um milagre se evita o óbvio – aumento do desemprego.
Porém, o governo acha que é fantasiando e enganando os portugueses que mobiliza o País.
Assim, a austeridade e os sacrifícios que nos estão a ser impostos se calhar vão custar mais e, pior que tudo, não irão valer a pena porque o governo não tem a grandeza que os desafios que temos pela frente impõem.
Lisboa, 17 de Janeiro de 2011

O Secretariado Nacional

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)