Aumentos em 2011 - Há situações incompreensíveis!...

As portagens nas autoestradas também aumentam 2,3% e, imagine-se, o pão terá um agravamento no preço que rondará os 12%.
Estes exemplos acontecem quando ocorrem cortes salariais nos sectores do Estado, congelamentos das pensões e o desemprego dispara para níveis nunca antes vistos e com o consequente empobrecimento de muitos mais portugueses.
Todas estas medidas seriam suportadas se, na sua base, houvesse uma estratégia para dinamizar a retoma da economia e daqui resultar o crescimento económico e a criação de emprego.
Mas como se podem aceitar aumentos brutais da energia, por exemplo, com a EDP a ter milhares de milhões de lucro e cujos custos representam um dos problemas mais sérios das nossas empresas?
Então as micro, pequenas e médias empresas, de todos os ramos de actividade, que têm nos custos da energia um dos seus maiores encargos e a EDP vai impor-lhes um aumento de 10%?
Não seria de exigir à EDP que não fizesse qualquer aumento no próximo ano, para assim ajudar as empresas e os consumidores domésticos a suportarem a crise?
É absolutamente inaceitável e imoral que, famílias e empresas à beira da falência, tenham de pagar mais 10% nos custos da energia para darem ainda maiores lucros a quem já lucra milhares de milhões.
Os TSD, naturalmente, sabem bem e defendem que as empresas têm de ter lucros.
Mas na situação actual, consideramos que a invocação cega das regras do mercado não podem sobrepor-se ao limiar básico da decência que é devida às pessoas e às famílias.
Com agravamentos dos preços como os anunciados, as pequenas empresas vão sufocar ainda mais, com mais encerramentos e mais desemprego.
Achamos que será possível evitar-se o pior, se houver algum sentido de partilha dos custos, se os sacrifícios forem distribuídos de forma proporcionada.
Cabe ao governo, sem intervenções inadequadas, sensibilizar as grandes empresas – EDP, PT, Banca, etc. – para não pretenderem ter lucros em tempo de crise, como se Portugal estivesse a crescer em bom ritmo e com uma economia saudável.

Lisboa, 23 de Dezembro de 2010

O Secretariado Nacional

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)