GOVERNO QUER FUGIR ÀS SUAS RESPONSABILIDADES

As políticas que têm sido adoptadas são as do programa do governo socialista e têm sido impostas
com arrogância e prepotência sem limites. Os caminhos e a estratégia do governo socialista
conduziram o País ao ponto em que nos encontramos. O PS e o seu governo, num gesto de
humildade e de respeito para com os portugueses, devem assumir clara e inequivocamente o
falhanço das suas políticas e não tentarem imputar a outros as responsabilidades que só a si cabem.
Neste quadro, o governo deve negociar com as outras forças políticas o próximo orçamento. Com o
PSD, preferentemente, que, ao contrário de todas as outras forças parlamentares, tem sacrificado os
seus interesses partidários em favor dos interesses do País, como já sucedeu quando, para evitar
males maiores, viabilizou o orçamento 2010 e os PECI e PECII.
Mas a postura pública do governo sobre esta questão é preocupante. Mais parece que o governo,
em pânico com a gravidade da situação e incapaz da enfrentar, procura um pretexto na crise, para
fugir do governo e para que outros resolvam os problemas que criou.
Os TSD esperam que o bom senso e o interesse nacional prevaleçam e que à gravidade da situação
económica e financeira do País, não se junte uma crise política pelos vistos desejada pelo governo.
Só um clima de estabilidade e responsabilidade no País pode gerar confiança nos potenciais
investidores privados e estes são vitais para o crescimento económico.
Quanto à questão do Estado Social, os TSD apenas lembram que tem sido o governo socialista que
mais tem desconstruído o Estado Social – exactamente ao nível das políticas de saúde, da educação,
das prestações sociais, do crescimento brutal do desemprego e do aprofundamento das
desigualdades sociais.

2. A situação insustentável que coloca Portugal à beira do abismo, resulta de vários erros acumulados
ao longo dos últimos anos, que não podem ser resolvidos por um Governo em permanente
campanha eleitoral e sem coragem para assumir as medidas que há muito são reconhecidas como
indispensáveis, pela generalidade dos economistas portugueses, muitos deles militantes e mesmo
ex-ministros de governos socialistas.
Tal descalabro reside:
• Défice Orçamental excessivo;
• Endividamento do País, no seu todo;
• Elevada (sem precedentes) Taxa de Desemprego;
• Baixa Taxa de Poupança dos portugueses;
• O esforço fiscal que recai sobre as Empresas e os Cidadãos;
• Fraca competitividade e crescimento medíocre da nossa Economia;
A resposta aos problemas estruturais mais graves, acima enunciados, tem-se saldado no aumento de
impostos que conduziram os trabalhadores e as empresas a suportarem um elevadíssimo esforço
fiscal, cujos resultados são o engrossamento das despesas do Estado e dos pagamentos dos juros da
dívida externa.
Isto é, em vez do Estado injectar dinheiro na economia, visando desenvolver o tecido empresarial
mais importante para a redução do desemprego – as micro, pequenas e médias empresas –
empobrece o país, aumenta o défice das contas públicas, agrava o desemprego, retira
competitividade à economia e enfraquece-a, como é demonstrado à saciedade pelo número de
falências.
Urge mudar de rumo, com alívios da carga fiscal e uma moderação séria da despesa.
Sem que isto se faça, sem uma política geradora de confiança e capaz de captar o investimento, o
emprego não crescerá, os portugueses não pouparão, porque não trabalham ou ganham mal, e
nenhum dos males que nos assolam será debelado. É preciso pôr a economia a funcionar e a crescer.
O governo deve mexer naquilo que depende de si, directa ou indirectamente através de
financiamentos, e emagrecer o esforço fiscal que impôs aos Portugueses em grande medida para
sustentar a sua clientela nas Empresas Públicas, Municipais, Institutos Públicos, Hospitais Empresa,
Parcerias Público-Privada e mais 14 mil (imagine-se 14 mil) entidades financiadas.
O caso do grupo das Águas de Portugal, com 42 empresas, é exemplo paradigmático. Uma empresa
que se desdobra em 42, com 42 Conselhos de Administração, com 5 administradores cada e cada
administrador com secretárias, adjuntos, assessores, carros, cartões de crédito, etc., não é normal. É
tolerável tamanha irresponsabilidade e gula pelos lugares para os “boys”, especialmente na situação
de crise em que o País se encontra?
Será que alguém sério, honesto e patriota aceita que tudo continue como está?
 
Lisboa, 25 de Setembro de 2010
O Conselho Nacional

¡Atenção! Este sitio usa cookies e tecnologías similares.

Se não alterar as configurações do seu Browser, está a concordar com o seu uso. Learn more

I understand

Lei n.º 46/2012

(...)

Artº 5

1 - "O armazenamento de informações e a possibi-lidade de acesso à informação armazenada no equipamento terminal de um assinante ou utilizador apenas são permitidos se estes tiverem dado o seu consentimento prévio, com base em informações claras e completas nos termos da Lei de Proteção de Dados Pessoais, nomeadamente quanto aos objetivos do processamento.

2 — O disposto no presente artigo e no artigo anterior não impede o armazenamento técnico ou o acesso:
a) Que tenha como única finalidade transmitir uma comunicação através de uma rede de comunicações eletrónicas;
b) Estritamente necessário ao fornecedor para fornecer um serviço da sociedade de informação solicitado expressamente pelo assinante ou utilizador.

(...)